domingo, 9 de setembro de 2012

Diálogos III




Quando, de súbito, olho nos olhos de quem passa, a primeira coisa que vejo é Medo. Depois, a fantasia, já desgastada de quem se é, reaparece. Sabe-se inútil, mas não se pode deixar de acreditar. Única fé que nos resta. O momento de reflexão já acabou. Chegando em casa, tenho mais alguém a quem enganar. E alguém que mora no meu espelho. 


D.Z

Um comentário:

Wilden Barreiro disse...

o espelho é mais vasto que o mundo!

abraço