sábado, 15 de setembro de 2012

Diálogos V




Em meio a tanta indiferença, em meio aos acordes distantes de uma canção, que talvez soasse somente em sua cabeça  - uma  melodia totalmente desconhecida e presente, ela seguia só. Seguia o seu caminho e sabia que havia dentro de si uma chama. Dentro de seu coração, uma frágil e sutil luz lhe dizendo "você é especial". E ela quis acreditar com todas as forças, e desejou proteger esse sentimento. Não deixaria aquela luz se apagar jamais. Nada importava, pois agora essa era a sua vida. Proteger. A luz. A sua esperança.


D.Z

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Diálogos IV




Estava frio, mas ele não percebera. A chuva lá fora era o cenário perfeito para uma noite tranquila de sono, mas a sua insônia o perseguia. Insônia e pesadelos. Naquele exato momento, debatia-se em sua cama.

O quarto era um cubículo escuro, onde havia espalhado seus livros e seus medos – estes sim transbordavam através da pequena janela à sua frente, alta demais para que pudesse ver a rua do lado de fora. Era uma fresta por onde somente os seus fantasmas conseguiam entrar.



D.Z

domingo, 9 de setembro de 2012

Diálogos III




Quando, de súbito, olho nos olhos de quem passa, a primeira coisa que vejo é Medo. Depois, a fantasia, já desgastada de quem se é, reaparece. Sabe-se inútil, mas não se pode deixar de acreditar. Única fé que nos resta. O momento de reflexão já acabou. Chegando em casa, tenho mais alguém a quem enganar. E alguém que mora no meu espelho. 


D.Z