terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Tempo finito



Tudo o que eu puder
Faço para esquecer
Da vida, um dia eu tive
Que escapar
Que correr, me esconder,
e depois aceitar

Mas até mesmo o dia mais
Incrível, sensato, verdadeiro
Tem fim no tempo dos homens
Nas horas contadas de angústias
Ou em brincadeiras que tem que acabar
Com o pôr do sol

Quem me diz se vale à pena
Deixar para trás
O motivo, o impulso
Talvez até a dor
Que me trouxeram aqui?

Se alguém me responder
É louco ou foi enganado
Não sabe que tudo tem um fim
Até as noites acabam
No mundo dos homens.


D.Z

Nenhum comentário: